A menos que os contratantes disponham de outra forma, os custos de outorga de escritura pública correm por conta do vendedor, e os de primeira cópia e demais posteriores à venda por conta do comprador. Por custos de outorga de escritura pública entendem-se os relativos à escritura matriz, que é o valor mais elevado.

No que respeita aos custos posteriores à finalização do contrato de compra e venda, se nada se acordou, entende-se que corresponderão ao comprador os custos derivados da inscrição no Registo Predial e o pagamento do Imposto Municipal sobre Transmissões ou do IVA, segundo se trate de compra e venda em segunda mão ou compra e venda de uma vivenda nova à promotora.

Mas o mais comum é acordar que os custos de notariado e Registo sejam suportados pelo comprador.

O pagamento do imposto sobre o aumento do valor dos terrenos de natureza urbana corresponde ao vendedor, salvo acordo em contrário.

Salvo acordo em contrário, o comprador está obrigado a pagar o IVA, em caso de primeira transmissão, ou o Imposto Municipal sobre Transmissões, no caso da segunda ou sucessivas transmissões.

Se o comprador constituir uma hipoteca para a compra do imóvel, tem de pagar a escritura notarial, o “Impuesto de Actos Jurídicos Documentados” (1%) e os honorários do “Registrador de la Propiedad”, para além das despesas financeiras do empréstimo.

Apesar da lei estabelecer que custos competem ao vendedor e quais competem ao comprador, admitem-se os acordos entre as partes que modifiquem o estabelecido na legislação em vigor.

Franco&Romero Abogados. Como se dividem os custos da escritura de compra e venda entre o vendedor e o comprador?

No entanto, apesar da liberdade de acordo mencionada, há que ter em conta que na compra e venda a promotoras, a Jurisprudência considerou abusivas algumas cláusulas como as que pretendem impor ao consumidor as despesas derivadas da preparação que, pela sua natureza, competem ao empreendedor, como é o caso da escritura de obra nueva y división horizontal, hipotecas para financiar a construção ou a sua divisão e cancelamento.

Também se considerou abusiva a cláusula em virtude da qual a Promotora impõe ao comprador o pagamento das mais valias ou imposto sobre o aumento do valor dos terrenos de natureza urbana. Não o seria, se a compra e venda fosse entre particulares.

No que concerne ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), por Lei costuma corresponder àquele que é proprietário do imóvel no dia um de Janeiro do ano em que tenha lugar a compra e a venda, sendo possível acordar o contrário. É cada vez mais frequente o acordo do pagamento proporcional aos meses que cada um tenha a vivenda, embora tais acordos não sejam opostos à administração, senão simplesmente exigíveis entre as partes.

Blog Legal Atual

O que nossos clientes acham?

5 out of 5 stars

Excelente trato y profesionalidad. Totalmente recomendable para cualquier cuestión legal.

5 out of 5 stars

Mi agradecimiento Carlos por tu dedicación profesional y buen hacer tanto en el trato personal como a la hora de recibir asesoramiento. Ánimo y a seguir así. Muchas gracias por todo.

5 out of 5 stars

Excelente abogado, con gran experiencia, seriedad y responsabilidad. Lo recomiendo 100%. No duden en contactarlo para sus trámites. Es muy eficiente. Desde ya, le doy las gracias por brindarme tan buen servicio.

5 out of 5 stars

El letrado Carlos es muy atento, muy amable, MUY profesional en su trabajo,muy seguro de sí mismo, se preocupa mucho por el cliente y yo estoy muy contenta con su trabajo

1 out of 5 stars

Muy decepcionada. Acudí a Carlos para un proceso penal y desde el primer momento me transmitió mucha inquietud e inseguridad. Muy poco recomendable.

Franco&Romero com o Sport

We use cookies

We use cookies on our website. Some of them are essential for the operation of the site, while others help us to improve this site and the user experience (tracking cookies). You can decide for yourself whether you want to allow cookies or not. Please note that if you reject them, you may not be able to use all the functionalities of the site.